Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘William P. Young’

O livro “A Cabana”, de William P. Young publicado pela editora Sextante, é dessas obras em que a leitura não se encerra na última página. Ele continua através de uma intenção maior propagada pelo “Projeto Missy”, para aqueles que se sentiram tocados e querem compartilhar as ideias da publicação e suas experiências pessoais.

“A cabana” naturalmente ocupou o topo da lista de livros mais vendidos no Brasil em 2009 e, desde então, figura entre as publicações mais lidas no país porque traz um enredo ficcional intrinsicamente ligado à espiritualidade.

Ele conta a história de Mack Allen Phillips com foco em sua filha mais nova que “durante uma viagem de fim de semana é raptada e evidências de que ela foi brutalmente assassinada são encontradas numa cabana abandonada. Após quatro anos, Mack recebe um estranho bilhete, aparentemente escrito por Deus, convidando-o para voltar à cabana onde aconteceu a tragédia. Mesmo desconfiado, ele vai ao local do crime numa tarde de inverno e enfrenta o cenário de seu mais terrível pesadelo. Mas o que ele encontra lá muda o seu destino para sempre. As respostas encontradas vão surpreender e podem transformar sua vida de forma tão profunda quanto transformou a de Mack. Você vai querer partilhar este livro com todas as pessoas que ama” (sinopse).

Livro "A Cabana"

Ao longo do livro Mack é acolhido pela Santíssima Trindade (Deus, Jesus Cristo e o Espírito Santo) – diferente daquela apregoada pela Igreja Católica, porque são seres de carne e osso e não só espíritos – que ajudam-no a reencontrar sua paz de espírito e a fé na vida. E, principalmente, a aceitar melhor os desígnios de divinos. A transformação de Mack se dá através da confiança, paciência, palavras e gestos carinhosos de Papai (Deus).

Apesar da “A cabana” ser um romance que se propõe a lançar luz sobre questões como vida, morte, dor, maldade, santidade, perdão, fé, responsabilidade, reconciliação, graça, independência x livre arbítrio, amor e redenção é preciso ter em mente que se trata de uma obra ficcional, escrita por um teólogo.  

Em minha opinião o livro traz um enredo simples, contagiante e próximo das dores humanas, mas peca em alguns diálogos engenhosos, porém enfadonhos que não chegam a lugar nenhum. Sem contar que, responder sobre Deus e a Terra não é tarefa fácil porque nem tudo tem resposta certa ou aparente, já que muitas delas estão em nossos corações revestidas de fé. Entretanto, o livro estimula as discussões que podem ajudar em nossas reflexões sobre o poder de Deus em nossas vidas.

Recomendo a leitura porque “A cabana” é uma boa literatura e reforço que não se trata de um livro verídico, mas baseado em sentimentos e intenções boas reforçadas por uma ideia de autoajuda “humanitária”. A obra é apoiada por infalíveis técnicas de marketing, por leitores fiéis entusiasmados com a ideia – comparados ao conceito marqueteiro de advogados da marca – e pela divulgação estratégica da mídia.

O livro “A cabana” tem 240 páginas e é composto dos seguintes capítulos:

  1. Prefácio
  2. Uma influência de caminhos
  3. A escuridão se aproxima
  4. O mergulho
  5. A grande tristeza
  6. Adivinhe quem vem para jantar
  7. Aula de voo
  8. Deus no cais
  9. Um café da manhã de campeões
  10. Há muito tempo, num jardim, muito distante
  11. Andando sobre a água
  12. Olha o juiz aí, gente
  13. Na barriga das feras
  14. Um encontro de corações
  15. Verbos e outras liberdades
  16. Um festival de amigos
  17. Manhã de tristezas
  18. Escolhas do coração
  19. Ondulações se espalhando
  20. Posfácio
  21. Agradecimentos

Mais de “A cabana” – www.theshackbook.com

Então para complementar minha experiência com este best-seller vou responder as quatro perguntas/recomendações que o livro faz ao fim de sua leitura:

1 – Conte como você se sente com relação ao livro “A cabana”:

Site A cabana

Gostei do livro, me emocionei diante de alguns trechos, compartilhei a Grande Tristeza de Mack – porque também perdi alguém que muito amo – e reforcei minhas convicções de que Deus não é aquele velhinho de barba sentado em sua cadeira entalhada olhando para suas “criaturas” imperfeitas e, sim, uma força maior que nos guia e nos protege a todo tempo.

Dentro do contexto em que ele se apresenta – ajudar as pessoas a entendem suas dores – ele deixa a desejar porque traz um conceito muito fraco dos desígnios de Deus e sua relação com o livre arbítrio dos seres humanos. Apesar de tentar ele não consegue responder boa parte das questões que perturbam a humanidade: bem, mal, céu, inferno, Deus, Jesus, Espírito Santo, ideias presentes da religião cristã.

Embora se proponha a responder “Se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar nosso sofrimento?” ele não consegue com a exatidão que os leitores precisam ou buscam. Acredito que esta resposta está dentro de cada um, independente da sua religião.

2 – Leia o Blog do Willie:

Blog Willie

Visitei o Blog do Willie, autor do livro, e conheci algumas histórias de pessoas que compartilharam sua dor, sua força interior e fé na vida e outras tantas que reencontraram uma razão de viver através da consagração com Deus. São histórias que expõem as mais variadas crenças.

Além disso, o blog traz informações interessantes sobre o autor, seus projetos e obras literárias e formas de compartilhar as ideias do livro e as histórias dos leitores. O Blog do Willie está em inglês, mas realmente vale uma sua visita.

3 – Conte suas ideias e discuta o livro com outros leitores no Fórum “A cabana”:

Bom sobre isso, caro Willie, ainda não tive tempo porque o Fórum têm centenas de postagens opiniões, ideias e informações que demanda mais aprofundamento. No momento, vou ficar devendo!

4 – Descubra as últimas novidades do Projeto Missy

No site do livro www.theshackbook.com você encontra formas de ajudar a compartilhar as ideias desta obra e ampliar a rede de leitores do livro. É através desta rede de compartilhamento de informações que o livro ganha repercussão e alavanca também suas vendas, sob pretexto de “curar as dores” da humanidade.

Vale dizer que, apesar de se travestir de um projeto que busca ajudar a humanidade a encontrar o caminho da compaixão, do perdão e da fé o livro, sem dúvida, acaba sendo uma grande estratégia de marketing também.

Reafirmo que “A cabana” é um livro interessante que deve ser lido com o coração e mentes abertas, mas com um olhar reflexivo.

Sobre o autor

William Paul Young nasceu no Canadá e foi criado pelos pais missionários numa tribo nas montanhas do que era a Nova Guiné. Anos depois, as mortes do irmão mais novo e de uma jovem sobrinha o deixaram completamente destroçado.

Há um ano e meio atrás, Young, que assina como Willie no livro tinha três empregos. Desde essa altura até agora, a vida do autor deu uma enorme reviravolta.

Atualmente, ele vive com a família, no estado de Oregon, nos EUA.

Young também publicou “A Cabana: reflexões para cada dia do ano” e “Travessia“. E inspirou vários livros de reflexões, pesquisas e complementações sobre “A cabana”, entre eles “Deus e a Cabana”.

Obs.: Esse livro me foi emprestado por um amigo que disse que ao ler pensou em mim e na minha história de perda recente, então deveria lê-lo. De fato, o livro tem requintes apreciados por mim: polêmica, religiosidade, espiritualidade e quebra de conceitos e paradgmas.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: