Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Palavras e Estantes’ Category

Hoje, 25 de Julho, é Dia Nacional do Escritor e o projeto Esqueça um Livro está mobilizando voluntári@s para esquecer livros pelo país todo. #MuitoAmorEnvolvido

Para participar é muito fácil. Basta esquecer um livro num local público, com um bilhetinho pra quem encontrar. Você pode também baixar e imprimir o marcador do “Esqueça um Livro” disponível no site do projeto. Depois é só “esquecer” o livro em algum lugar público com o marcador e o bilhete.

Poste uma foto nas redes sociais com a hashtag #esqueçaumlivro para que o movimento se espalhe! Se quiser envie a foto do livro no local esquecido para o Facebook do projeto, com a legenda, nome do livro, autor e local onde o livro foi deixado.

O legal é que quem encontra o livro, leva para casa, aprecia a leitura e depois esquece também.

O projeto “Esqueça um livro e espalhe conhecimento” foi idealizado pelo jornalista Felipe Brandão, que se inspirou no conceito de “book crossing”, o qual propõe o compartilhamento de “livros esquecidos” em lugares públicos.

Eu vou participar pela primeira vez do projeto com três livros: Caderno de Noah, de Nicholas Sparks; Romance Rock, de Glauco Cortez e Diário de um Magro (15 dias num spa), de Mario Prata.

Assim que eu esquecer meus livros postarei as fotos aqui no blog.

Boa leitura e vamos espalhar conhecimento… desapega geral!

Read Full Post »

CNNP 2016A Vivara Editora Nacional está organizando o “Concurso Nacional Novos Poetas”, intitulado Prêmio CNNP 2016.

A inscrição é gratuita e pode ser feita até 5 de setembro de 2016 pelo site www.cnnp.com.br.

Podem participar brasileiros natos, ou naturalizados brasileiros, maiores de 16 anos, com texto em língua portuguesa. O tema é livre, assim como o gênero lírico escolhido.

De acordo com o edital, cada participante pode inscrever-se com até dois poemas inéditos de sua autoria e que ainda não foram publicados em livro.

Serão classificados 250 poemas que comporão a publicação do livro denominado “Prêmio CNNP 2016 – Antologia Poética”, com tiragem de cinco mil exemplares.

Segunda a editora, os três primeiros classificados receberão medalha de ouro, de prata e de bronze, respectivamente. Além disso, os 10 primeiros classificados terão inserção de destaque no livro a ser publicado.

Os poemas serão escolhidos por uma Comissão Julgadora de acordo com a originalidade e linguagem poética. O resultado do Concurso será divulgado no dia 20 de setembro no site informado acima.

Esse concurso literário é uma importante iniciativa de fomento à cultura e à leitura no país.

A Vivara Editora Nacional edita, imprime e comercializa livros de autores independentes com tiragem sob demanda.

O prêmio conta com o apoio cultural da Revista Universidade. Para obter mais informações sobre o “Concurso Nacional Novos Poetas” acesse o Edital.

 

Fonte: com informações da Vivara Editora Nacional.

Read Full Post »

Crédito: FreeImages.com/Michelle Seixas (#1562581)

Crédito: FreeImages.com/Michelle Seixas (#1562581)

Como esse ano está sendo marcado por pequenas mudanças em minha vida, me propus a participar de um Desafio Literário.

Nos últimos dois anos diminui bastante o ritmo de leitura porque assumi outros compromissos que tornaram o meu horário muito mais apertado. Mesmo assim, vou me esforçar para retomar a leitura e escrever mais resenhas.

Esse desafio não é nenhuma competição, apenas uma forma de variar a leitura tornando-a mais instigante e diferente.

O Desafio Literário Mix tem como base as indicações dos blogs Annie Bitencourt, Além do Livro, Livros & Escritos e Inspirada por Palavras.

Pesquisei vários Desafios Literários e resolvi elaborar uma mistura (mix) que se adaptasse ao meu perfil e objetivo literário, pois não curto obras de ficção. Apesar do meu gosto “restrito” prometo me esforçar para sair da minha zona de conforto e explorar leituras variadas. #DesafioLiterárioMix

O Desafio Literário Mix vai durar 24 meses, iniciando em 1º de junho de 2016 com término em 31 de maio de 2018. Minha intenção é escolher de forma aleatória os livros não lidos que ainda tenho na estante, encaixando-os aos temas propostos pelo Desafio Literário Mix. Pretendo ler um livro de cada categoria, apesar do desafio permitir eliminar um ou mais itens com um único livro.

A cada seis meses postarei uma avaliação das metas. Adoro metas! Não para mensurar ou cobrar algo, apenas para verificar o andamento do projeto.

De qualquer forma prometo me esforçar para ampliar meus horizontes literários lendo um livro para cada categoria listada.

Vamos à lista:

  1. Um livro com mais de 500 páginas
  2. Um livro que tenha virado filme
  3. Um livro que contenha números no título
  4. Um livro que seja escrito por uma mulher
  5. Um livro que tenha sido publicado no ano do desafio
  6. Um livro que o título tenha apenas uma palavra
  7. Um livro que tenha mais de 100 anos
  8. Um livro que seja baseado em fatos reais
  9. Um livro que você tenha comprado ou escolheu apenas pela capa
  10. Um livro que se passe durante o natal
  11. Um livro que você termine em um dia
  12. Um livro que tenha sido adaptado para TV
  13. Um livro que relembre sua infância
  14. Um livro que contenha uma cor no título
  15. Um livro recomendado por um amigo
  16. Um livro que fez você chorar
  17. Um livro que foi publicado no ano que você nasceu
  18. Um livro que faça parte de uma trilogia (ler ao menos uma obra da trilogia)
  19. Um livro clássico
  20. Um livro escrito por alguém com menos de 30 anos
  21. Um livro engraçado (de humor)
  22. Um livro que ganhou o prêmio Pullitzer
  23. Um livro de biografia
  24. Um livro banido e/ou censurado
  25. Um livro que te intimide
  26. O livro mais antigo na estante e que você ainda não leu
  27. Um livro com menos de 150 páginas
  28. Um livro que você abandonou
  29. Um livro que você pensou em abandonar, mas persistiu na leitura
  30. Um livro que você nunca terminou
  31. Um livro que ganhou um prêmio literário
  32. Um livro escrito por um/a jornalista
  33. Um livro com história de guerra
  34. Um livro reportagem
  35. Um livro que você ganhou
  36. Um livro com título estranho
  37. Um livro nacional
  38. Um livro sobre política
  39. Um livro que demonstre que “o mundo tá cada vez pior, antigamente não era assim”
  40. Um livro em que a história se passe em pelo menos dois países de continentes diferentes (América, Europa, Ásia, África, Oceania e Antártida)
  41. Um livro estrangeiro
  42. Um livro sobre religião
  43. Um livro que fale sobre a morte
  44. Um livro de autoajuda
  45. Um livro de suspense/thriller
  46. Um livro de contos
  47. Um livro de não-ficção
  48. Um livro de cartum/charge
  49. Um livro de sick lit
  50. Um livro que contenha ilustrações
  51. Um livro de terror
  52. Um livro considerado cult
  53. Um livro apocalíptico
  54. Um livro que contenha um assassinato
  55. Um livro emprestado
  56. Um livro muito barato
  57. Um livro da biblioteca
  58. Um livro pequeno
  59. Um livro em formato diferente
  60. Um livro que contenha referências musicais
  61. Um livro polêmico
  62. Um livro subestimado
  63. Um livro mind fucking
  64. Um livro chocante
  65. Um livro que contenha uma história de amor marcante
  66. Um livro que você ainda não leu, mas já assistiu à adaptação
  67. Um livro que você gostaria que virasse filme ou série
  68. Um livro que contenha um personagem que você gostaria de ser
  69. Um livro com uma história que você gostaria de viver
  70. Um livro que você gostaria de ter escrito
  71. Um livro que te inspira
  72. Um livro que você gostaria que todos lessem
  73. Um livro que você gostaria de não ter lido (“desler”)
  74. Um livro que te dê vontade de viajar
  75. Um livro que te faça lembrar alguma estação do ano (primavera, verão, outono ou inverno)
  76. Um livro para dar de presente
  77. Um livro para ler antes de dormir
  78. Uma releitura
  79. Um livro com resenhas negativas
  80. Um livro que todo mundo gostou, menos você
  81. Um livro que você escolheu pelo título
  82. Um livro cujo título não condiz com a história
  83. Um livro cujo título tenha mais de 5 palavras
  84. Um livro cujo título seja um ou mais nomes próprios
  85. Um livro de um autor que você nunca tenha lido
  86. Um livro assinado por um pseudônimo
  87. Um livro escrito por dois autores
  88. Um livro de um autor que já morreu
  89. Um livro que comece com a letra do seu nome
  90. Um livro que você sempre quis ler

Essa lista está bem grande, me empolguei é verdade, mas quero ter bastante opção ao escolher a próxima leitura. A intenção é tornar esse desafio estimulante e muito prazeroso.

Convido você a participar deste Desafio Literário Mix. Pode adaptá-lo às suas necessidades e não se esqueça de usar a hashtag #DesafioLiterárioMix

tabela_desafio

 

Read Full Post »

“A vida que ninguém vê” é um livro que te prende do começo ao fim. A cada página virada os personagens saltam da folha e te convidam a apreciar histórias comoventes do cotidiano. No livro a documentarista, jornalista e escritora Eliane Brum apresenta uma seleção de crônicas sobre pessoas anônimas que têm histórias fantásticas que não são contadas nas páginas dos jornais.

A autora “desvendou” histórias comuns e nos apresenta uma reportagem do comum, mas com relatos inacreditáveis!a_vida_que_ninguem_ve

“A vida que ninguém vê” é um livro que desperta muitos sentimentos no leitor: te sensibiliza com a “História de um olhar”; te inspira com “Eva contra as almas deformadas”; te indigna com “Depois da filha, Antonio sepultou a mulher”; te faz chorar com “Sinal fechado para Camila” e sorrir com “O gaúcho do cavalo de pau”.

O livro é uma homenagem àqueles que, de alguma maneira, vivem de forma extraordinária, às margens da sociedade, lutando para sobreviver, buscando conquistar seus sonhos e fazendo de cada dia um momento especial. É também uma aula sobre jornalismo-sociológico e comportamento humano porque apresenta as situações simples e perturbadoras do cotidiano.

 

É tudo verdade. Da primeira à última linha, todas as palavras foram ditas, todos os sentimentos vividos. “A vida que ninguém vê” é o resultado da busca de uma repórter pela notícia que não estava no jornal. Os textos são reportagens pautadas pelo exercício de um olhar atento aos pequenos acontecimentos, ao que se passa na existência das pessoas desconhecidas. É a trajetória de uma repórter em busca do extraordinário em cada vida – só aparentemente – ordinária. É o avesso do jornalismo padrão.  (Sinopse)

A autora leva a risca o conceito de que “a notícia está em todo lugar”. Mas é preciso ter um olhar apurado para identificá-la e contá-la. E isso Eliane Brum tem de sobra!

Além de ser uma jornalista premiadíssima e documentarista talentosa. É também uma observadora da vida real e escritora empática e sagaz. Sou suspeita porque admiro muito o trabalho dessa escritora que tem o dom de tornar visível o que muitos não enxergam. Tenho saudades da sua coluna no portal da revista Época. Ainda bem que posso lê-la no El País.

As crônicas reportagens reunidas neste livro “A vida que ninguém vê” foram publicadas em 1999, na coluna de mesmo nome. Os textos saíam todos os sábados no jornal Zero Hora, de Porto Alegre. Foram um sucesso tão grande que Eliane Brum mereceu o Prêmio Esso Regional daquele ano. Os leitores escreviam contando que, ao ler sobre a vida anônima de outro, descobriram que sua própria vida era especial. “Tudo mudou”, diziam. (Sinopse)

Um retrato do livro

Lançada pela Arquipélago Editorial com 208 páginas que reúnem as 21 melhores histórias apuradas pela jornalista, a obra literária tem uma linguagem fluída, coloquial e um regionalismo típico do Sul, mas precisamente de Porto Alegre. A autora não criou a reportagem crônica, mas, com certeza, deu um ar intenso e intrigante ao gênero denominado “crônicas da vida real”.

a_vida_que_ninguem_ve2

“A vida que ninguém vê” apresenta textos autorais profundos que nos fazem pensar sobre a vida e a força que move esses personagens. O livro é composto por:

  • Prefácio
    • A vida que ninguém vê como eu a vi – Marcelo Rech
  • A vida que ninguém vê
    • Histórias de um olhar
    • Adail quer voar
    • Enterro de pobre
    • Um certo Geppe Coppini
    • O colecionador das almas sobradas
    • O cativeiro
    • O sapo
    • O conde decaído
    • O menino do alto
    • O chorador
    • O encantador de cavalos
    • O gaúcho do cavalo de pau
    • O exílio
    • A voz
    • Sinal fechado para Camila
    • Dona Maria tem olhos brilhantes
    • O doce velhinho dos comerciais
    • O homem que come vidro
    • O álbum
  • O dia seguinte
    • Depois da filha, Antonio sepultou a mulher
    • O dia em que Adail voou
  • Posfácio – Ricardo Kotscho
    • Humanos anônimos
  • Sobre a melhor profissão do mundo
    • O olhar insubordinado
  • Agradecimentos
  • Crédito das imagens

Eliane Brum não foge do apurado rigor e olhar jornalístico-sociológico que lhe é peculiar ao narrar a realidade do “mendigo que jamais pediu coisa alguma; do carregador de malas do aeroporto que nunca voou; do macaco que ao fugir da jaula foi ao bar beber uma cerveja; do doce velhinho dos comerciais que é também uma vítima do holocausto ou do homem que comia vidro, mas só se machucava com a invisibilidade”.

 

“Eva é mulher, negra e pobre. Eva treme as mãos. Tudo isso até aceitam. O que não lhe perdoam é ter se recusado a ser coitada. O que não perdoam a Eva é, sendo mulher, negra, pobre, e deficiente física, ter completado a universidade. E neste país. Todas as fichas eram contra ela e, ainda assim, Eva ousou vencer a aposta. Por isso a condenaram.” (pg. 101)

a_vida_que_ninguem_ve3É uma obra que precisa e merece ser lida, principalmente por jornalistas. Isso porque somos transportados para o tempo e espaço da história contada. “A vida que ninguém vê” tem um tom visceral, comovente, convidativo e que apresenta o outro como a gente pouco vê.

O que eu aprendi com “A vida que ninguém vê” foi manter um olhar mais atento e apurado para os “comuns” que transitam pela minha vida: pessoas comuns, situações comuns, lugares comuns… os comuns do cotidiano que, muitas vezes, passam despercebidos, apesar de serem repletos de significados especiais.

Ao lançar um olhar apurado sobre o cotidiano de uma sociedade automatizada, embrutecida e que não tem tempo para ouvir, entender, perceber ou acolher o outro, acabamos por desvendar algo a respeito do desconhecido e descobrimos também algo sobre nós mesmos.

Vale destacar que Eliane Brum tem no seu currículo os livros “Uma Duas”, “Coluna Prestes – O avesso da lenda”, “O olho da rua – uma repórter em busca da literatura da vida real” e “A menina quebrada”.

Informações Técnicas

Título: A Vida Que Ninguém Vê

Autora: Eliane Brum

Número de Páginas: 208 páginas

Editora: Arquipélago Editorial

Avaliação: Ótimo

 

Read Full Post »

Venha descobrir como uma jovem jornalista de um pequeno jornal paulistano conseguiu a primeira entrevista de Drummond para a imprensa, dando um “furo de reportagem” que lhe rendeu uma doce amizade

O Sarau Literário “Desvendando o Autor” recebe a jornalista e escritora Nanete Neves para uma roda de conversa sobre o livro “O Poeta e a foca”. Será neste sábado (30), às 18h, no Museu do Café em Campinas/SP.

Em 1977, Carlos Drummond de Andrade completava 75 anos sem nunca ter dado uma entrevista sequer: toda vida ele fugiu de jornalistas. Com toda a grande imprensa à sua procura, só uma jovem repórter de um pequeno jornal paulistano foi recebida por ele – e em seu apartamento, no Rio de Janeiro, aonde nem os amigos tinham acesso. Quase 40 anos depois a escritora e jornalista Nanete Neves resolveu contar essa história no livro “O Poeta e a foca” (Editora Pasavento).

No livro, Nanete Neves conta como foi esse encontro que rendeu boa matéria no Shopping-City News, um perfil do Poeta na revista Nova e, principalmente, uma doce amizade, com troca de telefonemas e cartas por vários anos. A autora relata também as conversas com intelectuais que lhe falaram do jeito de ser do Poeta, suas esquisitices, sua visão de mundo e idiossincrasias pessoais, preparando-a para conhecer o mito: Antônio Houaiss, Nélida Piñon, Ferreira Gullar, Affonso Romano de San’Ana, Antônio Callado, Pedro Nava, entre outros.

O livro “O Poeta e a foca” é atemporal e dá uma importante aula de jornalismo e de seus bastidores.

Nesse encontro “Desvendando o Autor” vamos desnudar o processo criativo de uma entrevista que tinha tudo para não dar certo, mas que rendeu boas histórias para contar.

nanete_alves_convite

Nanete Alves

É jornalista, escritora e autora do livro-reportagem “Lavoura dourada – A saga dos produtores de tabaco do Sul do Brasil”, organizadora da coletânea “Batendo ponto: uma colherada de humor na hora do cafezinho”.

A autora participa da antologia “Corda Bamba”, da Pastelaria Studios de Lisboa, que reúne contos de autores portugueses e brasileiros. Como ghostwriter editou quase 20 livros de não ficção para as editoras Saraiva, Campus Elsevier, Larousse e Planeta, empresas em que também atua como preparadora de originais.

Sob o pseudônimo Laura Fuentes, participou de cinco antologias de contos “Blablablogue – Crônicas & Confissões”;  “Mecanismos precários”; “Portal Fundação, Portal Fahrenheit e Todos os portais – realidades expandidas”.

Nanete Alves é pós-graduada em Formação de Escritores e Criação Literária e depois de uma longa carreira na imprensa, há mais de 10 anos vem se dedicando unicamente à escrita, trabalhando para o mercado editorial como editora, coach de autores e ministrando oficinas literárias de:  “Biografias & Ghostwriting” na Oficina de Escrita Criativa;  “Vitamina Criativa” para textos de ficção e “Ouvir, falar… e convencer!” voltado para o mercado corporativo.

Sarau Literário “Desvendando o Autor”

O sarau é formado por um coletivo de amigos informais que compartilha o prazer pela leitura, livros e arte em geral. Ess, que decidiram se unir para convidar escritores, editores, autores, blogueiros e afins para um dedo de prosa sobre literatura e o mundo da escrita criativa.

O Sarau Literário Desvendando o Autor tem como proposta fomentar a leitura e cursos sobre produções literárias, divulgar novos escritores, apreciar e resenhar novos lançamentos, promover encontros literários e culturais e compartilhar e viabilizar a troca de saberes.

O Sarau conta com a parceria do Museu do Café (MUCA) e do Grupo Intermunicipal de Incentivo à Leitura (Giile).

Serviço:

Sarau Literário “Desvendando o Autor” com Nanete Alves

  • Quando: Sábado (30/04), às 18h
  • Onde: Museu do Café (MUCA) – Av. Dr. Heitor Penteado, 2145 – Pq. Taquaral, Campinas/SP
  • Informações: Atividade gratuita e aberta ao público

Read Full Post »

Ordenou que Baiano caminhasse até a beira da cratera e aproximou o cano do revólver da cabeça dele, a uma distância de mais ou menos um palmo. Puxou o gatilho. O tiro ecoou no buraco como se fosse uma bomba. Júlio viu o corpo do garimpeiro despencar barranco abaixo e saiu correndo na escuridão. (pg. 189)

O-Nome-da-Morte_livroFicção, nãooooo! Esse trecho é uma pequena mostra do que você encontrará no livro reportagem “O Nome da Morte: A história real de Júlio Santana, o homem que já matou 492 pessoas” do escritor Klester Cavalcanti, pela Editora Planeta do Brasil.

Misture suspense, tensão, amor, medo, miséria, corrupção, morte, drama, violência, Ditadura Militar, disputa por dinheiro e poder, Guerrilha do Araguaia e o Sertão brasileiro; encaderne tudo e coloque na prateleira de uma livraria e tcharam: você terá uma obra de sucesso.

Brincadeiras à parte, não é bem assim que as coisas acontecem!

O autor é um jornalista talentoso vencedor do Prêmio Jabuti de 2005 com seu livro anterior “Viúvas da Terra” e tem grande experiência no gênero livro reportagem. Precisou de sete anos para conseguir convencer Júlio Santana a autorizar a divulgação do seu nome verdadeiro e uma foto no livro. A preocupação do protagonista era ser identificado e ter que prestar contas à Justiça por esses 35 anos de matança impune.

“O Nome da Morte: A história real de Júlio Santana, o homem que já matou 492 pessoas” conta a trajetória do matador de aluguel Júlio Santana, nome real, que “já deu cabo” em 492 pessoas em várias regiões do país.

Com uma história pra lá de interessante o matador “justifica” ser pistoleiro porque não sabe fazer outra coisa na vida e precisa garantir a sobrevivência da sua família.

Seus pagamentos são feitos em dinheiro, arroz, feijão, queijo, cachaça e outros itens que lhe interessam. E se você pensa que ele faz de tudo está enganado. Julio segue a risca um código de honra ensinado pelo seu tio policial militar, Cícero Santana, que o apresentou à profissão quando tinha apenas 17 anos de idade. Matar é um lance de família!

 

E quem é esse tal Júlio Santana, ou Julão?

o nome da morte2

Mapa onde Júlio Santana esteve

O matador é um homem de pouca conversa, frio, obstinado e que saiu da selva amazônica (na divisa do Maranhão) cruzando vários Estados brasileiros para matar pessoas desde 1971, até conquistar sua “aposentadoria” em 2006 e o sossego no seio da família formada pela esposa e dois filhos.

Do primeiro serviço concluído até o descanso do matador, 492 pessoas foram vítimas da sua mira certeira, sendo 487 registradas numa espécie de “caderno de contabilidade” com capa de desenho animado.

Cada página desvenda uma morte cometida por um homem que preserva certa humanidade ao rezar suas ave-marias e pai-nossos a cada execução como forma de buscar a absolvição dos pecados cometidos.

A história desse personagem é daquelas que você fica indeciso ao identificá-lo entre mocinho ou bandido. Isso porque o livro revela esses Brasis que desconhecemos onde os fins justificam os meios. Você se compadece com a condição de pobreza extrema em que vive o cidadão e até entende os caminhos que a situação o levou a tomar. Mas também fica indignado com a frieza dos atos, a impunidade e as desigualdades que imperam no país.

 

Estrutura do livro

Boa parte do livro relata a primeira vez em que Júlio Santana empunhou uma arma e toda a sua angústia de menino com a situação. No capítulo intitulado “A caminho da Guerrilha do Araguaia” a narrativa ganha ritmo ao descrever o despertar sexual de Júlio, ainda adolescente, com sua namoradinha Ritinha e a oportunidade de trabalhar para as tropas do Exército Brasileiro na caçada aos comunistas escondidos nas selvas da região do Rio Araguaia. A função do garoto era guiar os soldados mata adentro na captura de guerrilheiros porque além de bom conhecedor da região, Júlio tinha outro talento indispensável para a tarefa: a boa mira e a vontade de ganhar muito dinheiro.

Por conta do seu trabalho para os militares Júlio passou a juntar dinheiro para ajudar a família e também se deliciar com a “bebida de rico”, Coca Cola. E por ser um fiel escudeiro dos militares, ao findar seu trabalho de perseguição aos comunistas, ganhou um par de coturnos e farda verde oliva com direito a boné, realizando seu sonho de menino.

“O Nome da Morte: A história real de Júlio Santana, o homem que já matou 492 pessoas” é um livro que prende sua atenção da primeira a última página e é composto por:

  • Prefácio
  • Nota do Autor
  • O primeiro serviço
  • A caminho da Guerrilha do Araguaia
  • A captura de José Genoino
  • A segunda morte
  • Gênese de pistoleiro
  • 487 mortes catalogadas
  • O descanso do matador

 

Nos capítulos “A captura de José Genoino” e “A segunda morte” o autor descreve de forma detalhada como o ex-político José Genoino (PT) e a guerrilheira Maria Lúcia Petit (PCdoB) cruzaram o caminho de Júlio Santana durante a Guerrilha do Araguaia, em 1972, e outros casos de perseguição aos militantes políticos durante a Ditadura Militar.

Cabe ressaltar que há certo exagero estilístico na exploração dessas duas histórias. Acredito que boa parte devido ao “valor histórico” que esses militantes têm para o país. Há muitos dados, fotos e registros que ressaltam a importância aos dois casos em comparação às demais vítimas do pistoleiro, consideradas “pessoas comuns”. Enquanto que em alguns casos o autor descreve o assassinato de forma sucinta, nesse capítulo ele capricha nos detalhes e apresenta dados comprobatórios que torna a narrativa demasiadamente descritiva e pouco fluida.

Queria muito falar das histórias contadas no livro, mas perderia a graça da leitura e a surpresa de se deparar com as situações apresentadas pelo autor. #SpoilerNao

“O Nome da Morte: A história real de Júlio Santana, o homem que já matou 492 pessoas” conta uma história verídica de um personagem com um passado fascinante, anônimo e que poderia facilmente ser seu vizinho. Júlio Santana é um homem que mata a mando de outros homens “poderosos” que fazem da mira do calibre a solução para seus problemas.

Trecho do livro sobre andanças de Júlio Santana na selva

Trecho do livro sobre andanças de Júlio Santana na selva

 

Uma história incrível

Vou ser repetitiva ao registrar, mais uma vez, que adoro livro reportagem e, principalmente, literatura nacional. Se for literatura sobre guerra ou histórias de pessoas anônimas como essa, minha paixão aumenta.

Imagino esse livro nas telas do cinema com o ator Matheus Nachtergaele no papel de Júlio Santana… viajei né? É que o livro e a história são bons mesmo!

Também imagino a “grata” situação de estar numa cobertura jornalística de um tema e descobrir uma história interessante como essa sobre um anônimo que cruzou a vida de guerrilheiros importantes durante a luta armada e que andou impune por esse Brasil afora de pistola em punho e gatilho certeiro. É verdadeiramente uma dádiva essa descoberta do Klester Cavalcanti!

Personagens anônimos com histórias incríveis estão em todas as partes, mas é preciso ter um feeling jornalístico apurado para extrair o melhor “conteúdo” dessas pessoas. Por essa razão Klester Cavalcanti entrou para a minha lista de jornalistas que devo ler mais.

A crítica que faço é que foram poucas histórias contadas de um universo de quase 500 mortes. Que bom seria se o autor pudesse fazer uma nova edição do livro acrescentando mais histórias ou quem sabe um segundo volume.

Apesar disso, recomendo o livro porque esses pequenos deslizes do autor, no meu ponto de vista, não tiram o brilhantismo do livro.

 

Sinopse

Depois de matar, Júlio Santana reza dez ave-marias e vinte pai-nossos para pedir perdão. Tem medo de acabar no inferno. Sem ideologia, Júlio Santana mata por ofício. Uma profissão que aprendeu em família, com seu tio Cícero, que lhe passou um trabalho aos 17 anos. Depois de 35 anos de ofício, contabiliza quase 500 vítimas registradas num caderninho com a capa do Pato Donald. Sem compaixão ou ódio, Kléster Cavalcanti faz o matador respirar e nos assombrar com sua frieza. Pela primeira vez, um pistoleiro mostra seu rosto e conta sua vida. Mais do que a denúncia da impunidade e o desnudamento das engrenagens da viciada máquina Brasil.

 

Informações Técnicas

Título: O Nome da Morte: A história real de Júlio Santana, o homem que já matou 492 pessoas

Autor: Klester Cavalcanti

Número de Páginas: 245 páginas

Editora: Editora Planeta do Brasil

Avaliação: Muito Bom

Read Full Post »

“A Lei da Atração: O Segredo Colocado em Prática” é um livro para quem tem a mente aberta e que acredita na Lei do Universo – de dar e receber e na força do pensamento positivo.

a lei da atracao livroVocê deve estar dizendo, lá vem a Fernanda com aquela blá blá blá desde os primórdios do Xou da Xuxa [sic] que pregava a tríade do “Querer, Poder e Conseguir”.

Sim! Eu acredito e pratico a Lei da Atração e os preceitos da Programação Neurolinguística, que vai muito além do que dizia a pregação da Xuxa. Pode gargalhar que não ligo, porque essa lei tem fundamento.

Pensamentos vibratórios positivos aliados à linguagem verbal e ao comportamento corporal receptivo são importantes para alcançar seus objetivos. Peça, acredite e receba!

Não excluo aqui o entendimento de que é muito importante que você caminhe no sentido dos seus objetivos. Não dá pra ficar sentado aguardando as coisas caírem do céu. Tem que se movimentar em direção aos seus sonhos: agir mesmo. Mas vamos ao livro…

“A Lei da Atração: O Segredo Colocado em Prática” explica o passo a passo de como utilizar as técnicas de “O Segredo” para atrair o que você quiser na sua vida.

Já falei no blog sobre o livro escrito por Rhonda Byrne “O Segredo”, se quiser conhecer mais sobre esse assunto clique aqui para ler a resenha do livro.

Sinopse

A lei da atração responde a qualquer vibração que você emita, seja ela positiva ou negativa, dando-lhe mais dessa mesma coisa. Ela simplesmente responde às suas vibrações. Para saber se você está emitindo vibrações positivas ou negativas a respeito de algo, dê uma olhada nos resultados que tem obtido nessa área de sua vida. Eles são o reflexo perfeito daquilo que você está vibrando.

A obra, escrita pelo psicólogo e estudioso da Programação Neurolínguistica Michel J. Losier, explica detalhadamente como você deve agir para conquistar qualquer objetivo em sua vida, seja financeiro, amoroso, profissional ou pessoal. Com exercícios práticos e um texto bem didático o leitor consegue praticar a teoria de “O Segredo”, que consiste em três fundamentos básicos: pedir, acreditar e receber.

Ao final de cada parte é apresentado ao leitor um resumo do assunto tratado para melhor compreensão e prática do tema.

O livro afirma que “A Lei da Atração responde aos sentimentos que você experimenta em relação ao que diz e ao que pensa”. Então, está na hora de policiar suas atitudes e pensamentos para não gerar mais negatividade em sua vida.

Buda e outros seres iluminados já diziam há tempos que “somos o que pensamos”. Desta forma, a Lei da Atração está agindo em sua vida quer você queira e/ou acredite ou não porque seus pensamentos e sentimentos criam um campo energético que vibra numa determinada frequência semelhante a emitida por você a todo momento. Então é sempre melhor vibrar positivo, né?

a lei da atracao_livro2

Trecho do livro explica sobre reprogramação vibracional

Mas afinal o que é essa tal Lei da Atração?

A Lei da Atração é a capacidade que temos de, com nossos pensamentos e nossas emoções, criar a realidade em que vivemos. Então, dependendo do que pensamos e sentimos, podemos atrair coisas boas ou… nem tão boas assim.

Há uma vasta literatura a respeito dessa técnica com números livros que dizem como e por que fazer ou evitar tal coisa. Entretanto, considero a obra “A Lei da Atração: O Segredo Colocado em Prática” uma das mais elucidativas e simples para entender como essa “lei” funciona em nossa vida.

Para o autor nós vivemos inconscientemente sob esta lei e o que nos falta é justamente ter a consciência para agir ativamente sobre ela.

A seguir vou dar um pequeno depoimento sobre como entendi essa lei. Já que o blog é necessariamente um espaço pessoal, lá vai minha opinião sobre o assunto…

Experiência pessoal

Primeiro tenho que dizer que acredito nas leis do Universo: de dar e receber e da ação e reação. Também fiz muitos cursos sobre Programação Neurolinguística (PNL) para melhorar meu entendimento sobre a vida e também minha linguagem verbal e corporal, todos sem sucesso.

Vale destacar que, de acordo com a Sociedade Internacional de PNL, “a Programação Neurolinguística (PNL) é um método de ensino sobre a forma de processamento de nosso cérebro, ao ponto de influenciarmos comportamentos do cérebro, através da linguagem e de outros processos de comunicação. Este método permite que o cérebro responda de forma eficaz aos estímulos e manifeste melhores e novos comportamentos. Podemos chamar de “o manual de instruções do cérebro”, que nos guia a melhorar nossa percepção e ação, além de nossa comunicação para atingir mais e melhores resultados”. É ciência pura!

No começo achava tudo uma grande besteira porque fiz os cursos sem acreditar totalmente na eficácia da técnica e comprei diversos livros, alguns nem cheguei a ler por puro descrédito, mas finalmente ou felizmente devido aos vários caminhos que trilhei que resultavam sempre em respostas insatisfatórias ou repetitivas comecei a procurar entender melhor os preceitos básicos da PNL e da Lei da Atração.

Os fundamentos da PNL e da Lei da Atração me incentivaram a tomar as rédeas da minha própria vida, pois abriu minha mente para diferentes possibilidades e entendimentos sobre o meu ser. Parece meio viagem tudo que estou falando, mas quanto mais me aprofundei na Doutrina Espírita, mais comecei a entender a Lei da Atração porque tem tudo a ver com espiritualidade também. Ou melhor, com frequência vibracional, campo energético, estado de espírito… Ressalto que nenhuma das técnicas tem a ver com religiosidade, ok?

Hoje virou um hábito em minha vida buscar emanar vibrações e pensamentos mais edificantes e policiar minha atitude verbal e postural. Lógico que nem sempre é fácil, porque o negativismo, a raiva e o descontrole estão em todas as partes – principalmente dentro de nós mesmos – e quando fracassamos eles surgem de forma inevitável para jogar nosso bom humor lá no chão. É tarefa diária ter bons pensamentos, oferecer o que há de melhor em mim e acreditar concretamente que mereço o melhor que a vida tem a oferecer. Atuar num Centro Espírita ampliou essa minha capacidade de ver e buscar o melhor em todas as coisas e dentro do meu ser também. Tenho que praticar e acreditar todo dia porque a mudança tem que fazer parte de mim!

Enfim, estou sempre em processo de atrair tudo o que preciso fazer, saber ou ter para realizar meus objetivos.  E posso afirmar, com certeza, que boa parte das minhas maravilhosas conquistas em 2015, que não foram poucas, foi fruto dessa boa vibração, intenção e atitude positiva e também da minha mudança de comportamento. Hoje sou muito grata por tudo que recebi e tenho recebido. E tenho muito pra realizar… Assim seja!

Não seja o vilão/algoz dos seus próprios desejos

a lei da atracao_livro

Trecho do livro dá dicas sobre como se permitir

O livro “A Lei da Atração: O Segredo Colocado em Prática” ensina que é importante você saber o que quer, porque nem sempre temos certeza sobre nossos desejos; acreditar que é possível realizar esse objetivo e se permitir receber aquilo que deseja.

Um dos grandes problemas de não se concretizar o que se deseja é não acreditar que seja possível ou merecedor daquilo que almeja. Pra isso existe um capítulo explicando a importância de se permitir realizar o seu desejo vencendo crenças limitantes que impedem você de utilizar todo o seu potencial. Não vale sabotar os sonhos!

Em 190 páginas com escrita leve e objetiva você vai aprender o que é necessário para conquistar seus objetivos desvendando “O Segredo” de grandes mestres espirituais da história.

O livro também traz um espaço especial para que os pais e os professores aprendam a ensinar as crianças a Lei da Atração de forma a melhorar sua conduta e potencializar seus sonhos

Essa é uma obra que recomendo porque apresenta muitas dicas, ferramentas, exercícios e estudos de caso que ajudarão você a melhorar sua maneira de viver mudando seus pensamentos e suas atitudes. Além disso, no final do livro há várias referências e sugestões de leitura que ajudarão você a ampliar seu entendimento sobre o tema. Boa leitura!

Informações Técnicas

Título: A Lei da Atração: O Segredo Colocado em Prática

Autor: Michael J. Losier

Número de Páginas: 190 páginas

Editora: Nova Fronteira

Avaliação: Excelente

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: