Feeds:
Posts
Comentários

Hoje, 25 de Julho, é Dia Nacional do Escritor e o projeto Esqueça um Livro está mobilizando voluntári@s para esquecer livros pelo país todo. #MuitoAmorEnvolvido

Para participar é muito fácil. Basta esquecer um livro num local público, com um bilhetinho pra quem encontrar. Você pode também baixar e imprimir o marcador do “Esqueça um Livro” disponível no site do projeto. Depois é só “esquecer” o livro em algum lugar público com o marcador e o bilhete.

Poste uma foto nas redes sociais com a hashtag #esqueçaumlivro para que o movimento se espalhe! Se quiser envie a foto do livro no local esquecido para o Facebook do projeto, com a legenda, nome do livro, autor e local onde o livro foi deixado.

O legal é que quem encontra o livro, leva para casa, aprecia a leitura e depois esquece também.

O projeto “Esqueça um livro e espalhe conhecimento” foi idealizado pelo jornalista Felipe Brandão, que se inspirou no conceito de “book crossing”, o qual propõe o compartilhamento de “livros esquecidos” em lugares públicos.

Eu vou participar pela primeira vez do projeto com três livros: Caderno de Noah, de Nicholas Sparks; Romance Rock, de Glauco Cortez e Diário de um Magro (15 dias num spa), de Mario Prata.

Assim que eu esquecer meus livros postarei as fotos aqui no blog.

Boa leitura e vamos espalhar conhecimento… desapega geral!

Anúncios

Na primeira semana de janeiro aconteceu o ato “Nenhuma a Menos – O Machismo Mata” em memória às vítimas da “Chacina do Réveillon”, onde um homem assassinou 12 pessoas. Dessas, nove eram mulheres, a quem chamou de “vadias” numa carta em que justifica o ato em razão da disputa travada pela guarda do filho. O assassino, acusado de abusar sexualmente do filho de oito anos, matou sua ex-mulher, o filho e também se suicidou.

Na ocasião, centenas de mulheres saíram em passeata pelo Centro de Campinas para denunciar o feminicídio e a misoginia presentes na sociedade.

Uma pesquisa realizada em 2014, pelo Instituto Avon em parceria com o Datafolha, revela que três em cada cinco mulheres jovens já sofreram violência em relacionamentos. Diante desse dado lamentável, nossa luta se faz ainda mais necessária.

É importante ressaltar que alguns poucos homens se juntaram à luta contra o machismo e a estrutura patriarcal – conjunto de relações sociais que estabelecem uma forma de hierarquia, controle e opressão nas relações entre homens e mulheres – demonstrando solidariedade e disposição de combater essa postura social, cultural e histórica construída em nossa sociedade.

É louvável que tod@s tenham se reunido para tentarmos junt@s desconstruir o próprio machismo que, muitas vezes, habita em nós (in)conscientemente!

 

Dia Internacional de Luta das Mulheres

Mulheres em Luta: seguiremos em luta até que todas sejam livres!

No dia 8 de março, mulheres do mundo inteiro tomaram as ruas para denunciar as desigualdades de gênero e o feminicídio.

No Brasil, elas se levantaram em defesa da previdência e de suas vidas com o lema “Aposentadoria Fica, Temer sai! Paramos pela Vida das Mulheres!”. E os coletivos e coletivas feministas junto às Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo organizaram manifestações para denunciar os projetos “segregacionistas” e desumanos do golpista Temer. As manifestações também levantaram a bandeira contra as diferenças salariais, a violência doméstica, o controle do corpo e todas as formas de opressão, desigualdades e discriminações sexistas.

 

Dia Nacional de Lutas com Greves e Paralisações

No dia 15 de março foi a vez dos movimentos sindicais, sociais e estudantis tomarem as ruas contra o desmonte da Previdência Social Pública.

Sob o slogan “Resistir a todo custo contra a retirada dos direitos”, milhares de brasileiros se uniram em resistência à PEC 287/2016 que acaba com os direitos constitucionais previdenciários e nos obriga a trabalhar até morrer.

Essa reforma demonstra que o governo Temer tem a intenção de acabar com nossos direitos sociais e trabalhistas, ao mesmo tempo em que contribui para o aumento dos lucros dos banqueiros estimulado pela venda de previdência privada.

 

Nossa bandeira também é contra a Reforma Trabalhista

Ato pelo Dia Nacional de Lutas com Greves e Paralisações em Campinas

A aprovação na semana passada, a toque de caixa, da lei que libera o trabalho terceirizado em todas as atividades (de forma ampla e irrestrita) confirmou que o governo Temer está caminhando também para acabar com a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Não é retórica, não! Me responda: como uma medida que estabelece a celebração de acordos abaixo do que está previsto na lei trabalhista, regulamenta que o terceirizado trabalhe em média três horas a mais por semana que os contratados diretos e ganhe salários em média 25% menores, pode ser boa para a classe trabalhadora?

Tenho certeza que as economias geradas para as empresas pela terceirização serão convertidas automaticamente em aumento das margens de lucro, e não em mais contratações. E ao contrário do que dizem o empresariado, os paga patos da Fiesp e o governo federal, a terceirização elimina direitos trabalhistas, não gera empregos e só traz segurança jurídica para as empresas.

Não! Realmente, não precisamos modernizar a legislação trabalhista desse jeito… para pior!

Há quem diga que a terceirização não traz qualquer perda de direitos ao trabalhador, pois os terceirizados são contratados com carteira assinada. No caso do jornalista PJ (pejota como se diz), por exemplo, ele é um profissional que, geralmente, é demitido da redação e contratado como Pessoa Jurídica para economizar custos trabalhistas para o veículo. Sem contar, as famosas “Eugências” de comunicação ou assessoria de imprensa, cujo prestador de serviço é um jornalista com CNPJ que faz tudo, literalmente, e também não tem direitos garantidos já que é uma empresa/agência, né!

Eu tenho ouvido muita bobagem de amigos e familiares apoiadores desses projetos e outras políticas “temeristas”. Mas sabe o que eles (mídia, governo e setor empresarial) não dizem? É que o único meio que de fato gera emprego é o crescimento econômico.

 

Plantando dúvidas na cabeça da população

Nesse pequeno relato dá para ver que 2017 vai ter muita luta, sim. E a classe trabalhadora e a sociedade civil organizada não irão fugir dela.

No entanto, é preciso construir um forte movimento de resistência envolvendo vários setores da sociedade porque a luta em defesa e, também, pela ampliação de políticas públicas e de direitos sociais é para uma vida toda e não pode cessar.

Vou encerrar por aqui para não virar um tratado de desagravo contra o pacote de maldades de Temer reconhecidamente intitulado como “uma ponte para o abismo”. Lugar para aonde estamos caminhando se não nos unirmos.

E você, de que lado ficará?

 

#NenhumaAMenos #MachismoMata #EPelaVidaDasMulheres #NenhumDireitoAMenos #ContraAReformaDaPrevidencia #ContraAReformaTrabalhista

 

janeiro-branco-2017-rodapeDepois de tanto tempo sem escrever uma mísera linha fica praticamente impossível retomar de onde parei. Retomar os velhos projetos para o blog! Retomar…

Pensei em desistir porque o blog não tem mais espaço na vida corrida que estou levando, mas depois percebi que esse é um dos momentos mais prazerosos que tenho.

Mesmo quando necessito rabiscar algumas linhas dolorosas que me arrancam o ar e escancaram meu íntimo. E mesmo quando tenho que transpor para o papel algumas feridas que ficarão abertas diante da sociedade julgadora, ainda assim adoro escrever. Gosto de rabiscar “crônicas” cotidianas que me ajudam a refletir sobre os rumos da vida – minha, sua, nossa e da humanidade.

É natural que a escrita seja assim, um misto de dor e prazer, né?

Enfim, depois te tantas divagações, vamos ao assunto principal: Janeiro Branco! Mas, primeiramente, Fora Temer! Em seguida, Feliz 2017, com muita luz, sabedoria, prosperidade, equilíbrio, amor, força e fé na vida!

 

Os meses e as cores

meseseascoresonnnnAgora sim… Janeiro Branco não tem nada a ver com o calendário das grandes e luxuosas grifes de modas brasileira.

Confesso que trabalhei quase cinco anos na Saúde Mental e não me recordo de ter ouvido falar do termo “Janeiro Branco”. Tá bom… eu sou um pouco esquecida, mas disso eu me lembraria sim!

Conheço o Maio Amarelo (movimento internacional de conscientização para redução de acidentes de trânsito), Setembro Amarelo (campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio), o Setembro Azul (campanha de valorização da pessoa com deficiência auditiva); Setembro Vermelho (para combater as doenças cardiovasculares), Setembro Verde (destaca importância da doação de órgãos), Outubro Rosa (campanha internacional de combate ao câncer de mama) e o Novembro Azul (internacionalmente dedicado às ações relacionadas ao câncer de próstata e à saúde do homem).

Dá para ver que o mês de setembro está colorido, um pouco confuso, mas cheio de boas campanhas para participar e lutar.

E o Janeiro Branco que já está no finzinho? Quando tomei conhecimento do Janeiro Branco achei que era brincadeira ou modismo. Descobri que a data integra o calendário brasileiro de ações e lutas, mas o problema é que ainda é pouco divulgada.

 

Janeiro Branco

O Projeto Janeiro Branco faz do mês de janeiro um marco temporal estratégico para que todas as pessoas reflitam, debatam e planejem ações em prol da Saúde Mental e da Felicidade em suas vidas.

A campanha ressalta que “Quem cuida da mente, cuida da vida!”, sendo uma iniciativa social voltada para a promoção de mais Saúde Mental e Saúde Emocional nas vidas das pessoas. Os envolvidos no projeto investem em ações psicoeducativas e na criação de uma cultura de valorização da subjetividade.

É uma campanha muito importante que precisa contar com nosso apoio, inclusive o da mídia brasileira, pois vivemos em tempos de tanto stress, ansiedade, síndromes, doenças ligadas a pisque e a busca desenfreada pela felicidade plena e absoluta que, mais do que nunca, é preciso aprender a viver com equilíbrio.

Achei fantástico escolherem a cor branca que é a junção de todas as cores do espectro de cores. É definida como a cor da luz, da paz, da pureza, da limpeza, da calma, da harmonia e outras conotações positivas. É a cor que reflete todos os raios luminosos, não absorvendo nenhum e por isso aparece como clareza máxima.

É um significado poderoso usar a cor branca que simboliza a união de todas as cores, ou seja, precisamos buscar a união/equilíbrio do ser: espiritual, físico e mental. A campanha destaca a importância de manter a mente sã e viver uma vida mais saudável e positiva. Uma vida com mais luz e felicidade interior!

Não estou dizendo que não podemos ficar tristes, devemos porque a vida é feita de altos e baixos que nos proporcionam aprendizados fundamentais. No entanto, o equilíbrio é sempre o melhor caminho. É também um caminho difícil de ser trilhado, mas não impossível. Evoluir é isso: é buscar trilhar o caminho do meio com paz interior e tolerância com o exterior.

 

Vida na Web

O mundo, principalmente virtual, cobra a todo instante a felicidade plena, tanto que muitos estão nas redes sociais com seus “Sorrisos Colgate” e por dentro um caco de gente.

Quando você fica triste logo chega um dizendo pra parar de choramingar, como se você não tivesse o direito de sofrer. Sofrer também é um rito de passagem importante que te ajuda a cicatrizar as feridas para seguir adiante. O problema é quando ele toma a sua vida por inteiro, te deprime a todo instante até que você perde a vontade de viver. Isso sim é mau sinal!

É disso que a campanha fala: de buscar sua Saúde Emocional e seu ponto de equilíbrio para viver a vida de forma leve.

Acredito que a vida é feita de momentos felizes. Têm sim momentos de felicidade arrebatadora, mas é pouco provável que ela dure para sempre. Então pare de fingir para a sociedade que sua “pseudo felicidade” é plena e absoluta e assuma seus altos e baixos com sabedoria e responsabilidade. Tire o sorriso plastificado do rosto e busque a felicidade interior verdadeira, aquela que te traz paz de espírito e sanidade para suportar as agruras do mundo.

Janeiro é sempre um período de reflexão, de fazer um “balanço” da vida, de traçar sonhos e projetos e, principalmente, de renovar nossos compromissos de lutar por tudo o que sempre desejamos. A campanha diz que “Janeiro é um mês, naturalmente, terapêutico. Façamos da sua estratégica posição um ponto de partida privilegiado a partir do qual as pessoas movam-se em busca de mais sentidos positivos para as suas vidas”.

Então, vamos fazer desse Janeiro Branco, que já está no fim, o mês do renascimento do que há de melhor em nós, sem falsas pretensões e ações. Vamos nos comprometer, verdadeiramente, com a construção de uma vida mais feliz e tolerante.

 

Quem cuida da mente, cuida da vida.

Os 5 objetivos da Campanha Janeiro Branco:

  1. Fazer do mês de janeiro o marco temporal estratégico para que todas as pessoas do mundo reflitam, debatam e planejem ações em prol da Saúde Mental e da Felicidade em suas vidas ao longo de todo o ano;
  2. Chamar a atenção de todo mundo para o tema da Saúde Mental nas vidas das pessoas;
  3. Aproveitar o início de todo ano para incentivar as pessoas a pensarem a respeito das suas vidas, dos seus relacionamentos e do que andam fazendo para serem verdadeiramente felizes;
  4. Chamar a atenção das pessoas para pensarem a respeito do que precisam mudar em suas vidas para serem, realmente, felizes;
  5. Mostrar às pessoas que sempre é possível o fechamento e a abertura de novos ciclos em busca da Felicidade em suas vidas – afinal, ano novo, vida nova, mente nova!

Olha que interessante:

lcaNa cultura oriental a cor branca representa desde tristeza até luto. Interessante porque a Saúde Mental também está associada a dor. O sofrimento psíquico ou a “falta de sanidade mental”, sem dúvida, causam muito sofrimento para a pessoa e todos que a cercam. E o luto pode ser também um momento de transmutação na vida de uma pessoa.

Independente da forma como você vive sua vida ou os problemas que você teve ou tem, quando sentir que algo está errado ou que você não consegue “resolver” sozinho, talvez seja a hora de buscar ajuda médica. Isso não significa que você está louco, até porque o que é ser louco nessa sociedade insana em que vivemos? Isso pode ser apenas um sinal de que você precise de ajuda para seguir com a vida de forma leve.

Participe e ajude a divulgar essa importante campanha: Janeiro Branco #QuemCuidaDaMenteCuidaDaVida

 

Contatos do Projeto Janeiro Branco:

125x125-janeiro-brancohttp://janeirobranco.com.br / www.facebook.com/campanhajaneirobranco / janeirobranco@gmail.com / Whatsapp Nacional do JB: (34)99966-1835

 

 

Se quiser contar como está sendo seu Janeiro Branco é só deixar um comentário. Assim como gosto de escrever, também adoro ler.

Fonte: com informações da Wikipedia e Portal Janeiro Branco

Lindo cartão de visita do Vigia do Automóvel, Sr. Jose

Lindo cartão de visita do Vigia do Automóvel, Sr. Jose

Eu aprecio muito a capacidade criativa, inventiva e empreendedora do brasileiro. Não estou dizendo do “jeitinho brasileiro” de querer levar vantagem em tudo. Mas da disposição que o cidadão tem de buscar soluções criativas para resolver as dificuldades que a vida lhe impõe.

No final do ano passado participei de uma confraternização entre colegas de trabalho e chefia. Escolhemos uma churrascaria próxima ao trabalho para a celebração.

Ao chegar fui estacionar meu carro numa rua próxima e conheci o Sr. José, “Vigia do Automóvel”, que é um ser humano simpático e que auxilia os motoristas a estacionarem no entorno do local.

Na ocasião, ele me orientou a estacionar num local seguro, se apressou em abrir a porta do carro e com um sorriso no rosto, como quem ajuda um amigo, carregou minhas duas caixas pesadas até o restaurante.

Quando saí ele veio me desejar Boas Festas de forma carinhosa e me perguntou se todos gostaram dos presentes que levei.

Fiquei encantada com a personalidade carismática e solícita do Sr. José e não teve como ignorar sua gentileza. Ofereci uma gorjeta que ele recusou de primeira. Depois de muito insistir ele aceitou e me deu um abraço fraterno desejando as melhores coisas pra minha vida e, especialmente, “muita prosperidade para que pudesse sempre celebrar com fartura ao lado dos meus amigos”. Foi de emocionar me despedir de um estranho que nos primeiros minutos já conquistou minha admiração.

Sr. José é mais uma “vítima” do desemprego que não se deixa abater pelas dificuldades e nem dá um jeitinho pra ganhar dinheiro à custa dos demais. É daqueles homens que rala de sol à chuva pra ganhar um dinheirinho suado sem impor seu trabalho.

Sim, ele é um “flanelinha”, só que de um jeito especial. Ele não fica ameaçando, cercando ou cobrando as pessoas nas ruas. Nem entrando na frente do seu carro impondo de forma irritante um serviço que você não quer.

Ele encontrou uma forma diferente de abordar as pessoas sem ser invasivo, aproveitando uma necessidade do motorista para oferecer sutilmente seu trabalho. Só por isso, merece meu respeito e os melhores votos de sucesso.

vigia_automovel_verso

Cartão feito de papelão e recortado para pendurar ou carregar no carro

Ele é tão descolado, criativo e sabe que a propaganda é a alma do negócio que criou um lindo cartão de visita em formato de automóvel para o motorista levar ou pendurar no carro. E quando perguntado sobre o significado do olho nas rodas do veículo ele respondeu “se eu estiver por perto seu veículo será bem guardado porque estou sempre de olho para que nada de mal aconteça com o seu bem”. Depois dessa resposta respondi com um sorriso largo e disse “muita gentileza da sua parte”. Sem dúvida, o Vigia do Automóvel tem uma veia empreendedora e sabe reconhecer as oportunidades.

Nas minhas aulas de MBA os professores falavam sempre da importância de estar atento às oportunidades de negócios e de ter soluções criativas para os problemas cotidianos. Com certeza, eles ficariam impressionados com o poder de percepção do Sr. José.

Valeu, Sr. José! Gratidão por fazer a diferença na minha vida e pela lição que me deu naquele dia. Exemplo como esse que me dá a certeza que os brasileiros, um dia, vão solucionar todos os problemas e desigualdades do país, porque nós temos todos os recursos necessários para vivermos mais e melhor, só precisamos usá-los de forma consciente.

Gratidão, Sr. José! 

CNNP 2016A Vivara Editora Nacional está organizando o “Concurso Nacional Novos Poetas”, intitulado Prêmio CNNP 2016.

A inscrição é gratuita e pode ser feita até 5 de setembro de 2016 pelo site www.cnnp.com.br.

Podem participar brasileiros natos, ou naturalizados brasileiros, maiores de 16 anos, com texto em língua portuguesa. O tema é livre, assim como o gênero lírico escolhido.

De acordo com o edital, cada participante pode inscrever-se com até dois poemas inéditos de sua autoria e que ainda não foram publicados em livro.

Serão classificados 250 poemas que comporão a publicação do livro denominado “Prêmio CNNP 2016 – Antologia Poética”, com tiragem de cinco mil exemplares.

Segunda a editora, os três primeiros classificados receberão medalha de ouro, de prata e de bronze, respectivamente. Além disso, os 10 primeiros classificados terão inserção de destaque no livro a ser publicado.

Os poemas serão escolhidos por uma Comissão Julgadora de acordo com a originalidade e linguagem poética. O resultado do Concurso será divulgado no dia 20 de setembro no site informado acima.

Esse concurso literário é uma importante iniciativa de fomento à cultura e à leitura no país.

A Vivara Editora Nacional edita, imprime e comercializa livros de autores independentes com tiragem sob demanda.

O prêmio conta com o apoio cultural da Revista Universidade. Para obter mais informações sobre o “Concurso Nacional Novos Poetas” acesse o Edital.

 

Fonte: com informações da Vivara Editora Nacional.

O bonde da cultura Hip Hop, mais especificadamente, da Dança Urbana (Dança de Rua ou Street Dance) vai estacionar nas Olimpíadas Rio 2016 para levar muitas atrações artísticas e culturais para os turistas e os cariocas.

BOTY2010_fernanda_sunega

Battle Of The Year Brazil (BOTY) 2010 / Crédito: Fernanda Sunega

Começa no dia 6 e vai até 11 de agosto o festival de Dança Urbana “Battle Brazil – Edição Especial”, na Escola Nacional do Circo, no Rio de Janeiro. A atração integra a programação de mostras culturais organizada pela Funarte.

O objetivo da atividade é promover o intercâmbio artístico-cultural entre grupos de Dança de Rua brasileiros por meio de apresentações de grupos (crews) de Hip Hop de renome internacional vindos de quatro estados brasileiros. A atração integra o calendário de mostras artísticas e culturais organizado pela Funarte.

Organizada pela Cia Eclipse Cultura e Arte, a “Battle Brazil” é considerada a maior competição nacional de Dança de Rua (Street Dance) realizada em Campinas/SP. Mas desta vez, não haverá competição porque a mostra de dança integrará o calendário de atrações artístico-culturais dos Jogos Olímpicos 2016.

Durante o evento os grupos irão oferecer oficinas, palestras, batalhas shows e espetáculos de danças para propagar seus trabalhos e iniciativas culturais. A proposta da “Battle Brazil – Edição Especial” não é ser somente uma mostra, mas incentivar a interação entre os grupos de forma a divulgar o talento desses artistas.

Participam da mostra 12 grupos de danças oriundos das regiões Sudeste, Sul e Centro Oeste. Sendo eles: MOS Crew, de Campinas/SP; Original Rocking, de Poços de Caldas/MG; Still Contact, de Curitiba/PR; Resistência Ativa, de Anápolis/GO; The Killers, de São Paulo/SP; Street Son, de São Paulo/SP; Crewest, de Franco da Rocha/SP; Super Star B.Boys, de Colombo/PR; Browns Boggie, de Campinas/SP;  Pânico Krumpers, de Campinas/SP, Companhia Híbrida/RJ e Cia Eclipse Cultura e Arte, de Campinas/SP. Além do MC Uiu e os DJ’s JP Black e Negresco.

Além de espetáculos, a “Battle Brasil – Edição Especial” oferecerá palestras e oficinas aplicadas pelos grupos convidados. A intenção é oferecer um espaço para a troca de saberes e vivências culturais e artísticas, além de estimular a interação com a comunidade artística carioca e, principalmente, com turistas que participarão das Olimpíadas Rio 2016.

Serão realizadas oficinas de “Danças Urbanas Estilo Popping” e “Danças Urbanas Estilo Krump” e uma palestra sobre “Danças Urbanas no Brasil”

 

Batalha Show Danças Urbanas

eclipse_ensaio_fot-Gustavo Brito

Breaking, Popping, Krump e outros gêneros serão apresentados na edição especial da Battle Brazil / Crédito: Gustavo Brito

Batalhas Show são apresentações demonstrativas sem competições, apesar da denominação “batalha”. Elas apresentarão ao público diferentes estilos de Dança Urbana, formas de expressão e performances dos dançarinos, bem como gêneros musicais variados que compõem estas danças.

Durante a programação serão apresentadas coreografias com temáticas diversas enfatizando vários estilos de dança, que nasceram com a Cultura Hip Hop na década de 70 nos Estados Unidos, mas que assumem características regionais em cada lugar do mundo.

A Escola Nacional do Circo será palco de artistas-atletas que realizarão performances com saltos, giros, movimentos acrobáticos musicados com muita energia, ritmo e sentimento do original Hip Hop.

 

Espetáculos de Dança

Espetaculo Impermanência / Crédito: Samuel Lorenzetti

Espetáculo Impermanência / Crédito: Samuel Lorenzetti

Durante a mostra, será possível assistir ao espetáculo “Impermanência”, interpretado pela Cia Eclipse Cultura e Arte. O espetáculo revela como a impermanência influencia tanto a nossa vida, como também o ambiente, porque tudo está em constante mutação. A impermanência invade nossa existência e faz parte de nossa condição humana. Através dela é possível abdicar de apegos e medos, vivenciando a renúncia, a aceitação e a instabilidade.

Esse espetáculo foi premiado pelo ProAC (Programa de Ação Cultural) Circulação Dança 2015 da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo.

Já o espetáculo “Olho Nu”, terceira parte da trilogia que discute Hip Hop e fragilidade, traz  como mote o desejo de desnudar o dançarino de rua, ressaltando as fragilidades deste corpo potente e, ao mesmo tempo, revelar todo o potencial criativo existente por trás destas fragilidades. Na cena, a repetição que busca transformação, busca também por formas de composição que extrapolem o lugar comum dessa técnica levando à reflexão sobre este corpo que se atém no papel de entreter e atender expectativas daquele que assiste.

A montagem foi criada pela Companhia Híbrida, fundada em 2007 na cidade do Rio de Janeiro, pelo diretor e coreógrafo Renato Cruz. Desde o inicio, a proposta desta Companhia reside em desenvolver uma pesquisa singular misturando diferentes linguagens artísticas, tais como as Danças Urbanas, a dança Contemporânea, a linguagem teatral e tudo mais que possa servir como base para materialização de novas ideias.

 

Jam – Encontro de Confraternização

Durante a Battle Brazil será realizado um encontro de Jam, com confraternização e intercâmbio cultural dos artistas convidados com os dançarinos do Rio de Janeiro ou outros que estejam na cidade, como turistas, e queiram integrar o palco para apresentação improvisada.

 

Breve histórico da Cia Eclipse Cultura e Arte

Eclipse Cultura e Arte

Eclipse Cultura e Arte / Divulgação

Criada em 2002 na cidade de Campinas/SP, a companhia tem sido premiada nacional e internacionalmente por espetáculos e projetos realizados em Dança Urbana.

A Cia Eclipse Cultura e Arte realiza pesquisas artístico-culturais para criação de peças, espetáculos, performances e intervenções; desenvolvendo os diferentes estilos de Danças Urbanas, sua especialidade, mesclado com técnicas de ginástica acrobática, circo, teatro, entre outras linguagens artísticas que contribuem com a iniciativa proposta.

A companhia é organizadora do Campinas Street Dance Festival, festival oficial de Dança de Rua que entrou para o calendário anual da cidade, e da Battle Of The Year Brazil, etapa nacional da competição conhecida como a Copa do Mundo da Dança de Rua, cuja final é realizada na Alemanha desde 1990.

A Cia Eclipse desenvolve projeto de formação e iniciação em Danças Urbanas com aulas gratuitas oferecidas por dançarinos e coreógrafos voluntários. Os encontros acontecem aos sábados à tarde na Estação Cultura de Campinas e na Casa de Hip Hop de Campinas.

A Cia Eclipse Cultura e Arte foi fundada e é dirigida pelos coreógrafos e bailarinos Ana Cristina e Kico Brown. Em 2011, eles lançaram o livro “Dança de Rua” que apresenta um estudo sobre uma das maiores manifestações culturais que influenciou e influencia a juventude do mundo inteiro, o Hip Hop.

Mais informações sobre a companhia em www.eclipse.art.br.

 

Mostra Funarte de Festivais

A Battle Brazil – Edição Especial foi contemplada pelo edital da Funarte (Fundação Nacional das Artes), que selecionou projetos de âmbito nacional, para compor a programação artística de três espaços da fundação na cidade do Rio de Janeiro: Teatro Dulcina, Teatro Cacilda Becker e Escola Nacional de Circo durante os Jogos Olímpicos 2016. A programação deverá ser realizada entre os dias 30 de julho a 4 de setembro.

Com essa iniciativa, o MinC (Ministério da Cultura) e a Funarte pretendem dar ampla visibilidade a uma importante rede de difusão, formação e promoção do acesso à diversidade da produção artística brasileira, constituída pelos festivais nacionais de Circo, Dança, Teatro e suas transversalidades.

 

PROGRAMAÇÃO

06/08 (sábado)

  • 19h: Showcases de Breaking

07/08 (domingo)

  • 16 às 19h: Jam – Encontro de Dançarinos (confraternização e interação)
  • 19 às 21h: Batalha Show de Danças Urbanas

09/08 (terça-feira)

  • 16 às 17h30: Oficina “Danças Urbanas Estilo Popping”
  • 17h30 às 19h: Palestra “Danças Urbanas no Brasil”
  • 19 às 20h30: Oficina “Danças Urbanas Estilo Krump”

10/08 (quarta-feira)

  • 19 às 20h: Espetáculo IMPERMANÊNCIA – Cia Eclipse Cultura e Arte/SP

11/08 (quinta-feira)

  • 19 às 20h: Espetáculo OLHO NU – Companhia Híbrida/RJ

 

Todas as atrações são gratuitas e a programação completa pode ser conferida em www.battlebrazil.com.br.

battle_rj

 

tereza_de_benguela

Tereza de Benguela / Google Imagens

Nesta segunda-feira, 25 de julho, celebramos o Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha. A data foi criada em 25 de julho de 1992, no I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana, para marcar, internacionalmente, a luta e a resistência da mulher negra.

Para destacar essa importante data, a Frente de Mulheres Negras de Campinas e Região promove de 25 a 31 de julho atividades para compartilhar suas percepções afro latinas, negras e feministas a respeito dos temas como: Cultura, Direitos e Políticas Públicas, Militância e Sexualidade.

Durante a semana serão lançados a Revista da Frente de Mulheres Negras de Campinas e Região e o documentário “Em Marcha Sempre”. A publicação é fruto do acúmulo de conversas e vivências das mulheres negras que integram a frente e os textos escritos lançam reflexões sobre Cultura, Ancestralidade, Atualidades, Trabalho, Sexualidade e Educação.

No Brasil a Lei nº 12.987/14 instituiu o 25 de julho como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. Ela foi uma líder quilombola que viveu no atual estado do Mato Grosso durante o século 18 e tornou-se rainha do Quilombo Quariterê após a morte de seu marido. Sob sua liderança a comunidade negra e indígena resistiu à escravidão por duas décadas, sobrevivendo até 1770, quando o quilombo foi destruído pelas forças de Luiz Pinto de Souza Coutinho.

Vale destacar que, apesar de muitas mulheres negras serem bem mais qualificadas e investir mais tempo que os homens em estudo, elas ainda ganham menos de 40% que brasileiro branco e, outras tantas, são exploradas em ocupações terceirizadas precárias no setor de limpeza ou alimentação.

Por isso, o 25 de julho é um dia de luta e para lembrar que as mulheres negras brasileiras continuam, bravamente, combatendo cotidianamente o racismo, o machismo e a violência doméstica tão enraizados em nossa sociedade patriarcal e conservadora.

 

Frente de Mulheres Negras de Campinas e Região

frente_negraA Frente de Mulheres Negras de Campinas e Região é composta por 20 coletivos de militância feminista, cultural, periférica e negra, que se mobilizam com a intenção de promover ações permanentes e constantes acerca da temática da Mulher Negra.

A frente é organizadora do Sarau das Aliadas, que acorre todo último domingo do mês na Casa de Cultura Tainã, na Vl. Pe. Manoel da Nóbrega.

 

Programação

25 de julho (segunda-feira)

19h – Lançamento da Revista da “Frente de Mulheres Negras” e do Documentário “Em Marcha Smpre”.

Local: MIS Campinas (Rua Regente Feijó, 859 – Centro)

28 de Julho (quinta-feira)

19h – Roda de Conversa “Mulheres Negras e Direitos: a Justiça quando vira injustiça”.

Local: Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil (Rua Barão de Jaguara, 636 – Centro)

29 de Julho (sexta-feira)

19h – Roda de Conversa “Mulheres Negras e Sexualidade: diálogos entre gerações”.

Local: Estação Cultura (Praça Marechal Floriano Peixoto)

30 de Julho (sábado)

10 às 20h – Mutirão de Graffiti Feminino “Rolê das Aliadas”.

Local: Casa de Cultura Tainã (Rua Inhambu, 645 – Vila Padre Manoel da Nóbrega)

31 de Julho (domingo)

14 às 20h – Sarau das Aliadas, com a entrega do Prêmio “Mulheres Negras 2016”.

Local: Casa de Cultura Tainã (Rua Inhambu, 645 – Vila Padre Manoel da Nóbrega)

 

Fonte: Com informações da Frente de Mulheres Negras de Campinas e da Wikipedia

 

Lei também: Viola Davis: sobre negras e brancas e a igualdade de oportunidades

%d blogueiros gostam disto: